18 de janeiro de 2008

O Sol de lá.

Sentei-me nas escadas brancas à espera do próximo comboio. Via as pessoas enquanto o Sol me ia aquecendo a pele, e ela pedia mais.
E mais. E mais. E mais.
Entrei no comboio e tive a certeza que hoje a chegada a casa seria bem diferente da dos outros dias: sentia-me muito mais quentinha.



Que saudades do sol a queimar-me a pele.

3 comentários:

Marta disse...

É, o aconchego do calor do sol é inexplicável. É bom demais.*

p de Parvo disse...

O sol de Notre Dame (8)

Rita disse...

também eu tenho saudades dessas...



isto está diferente, Ana. mais clarinho e doce... e eu confesso que gosto muito. * (: